A origem de um testemunho genuíno

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Outro dia, vi uma frase no twitter que me chamou a atenção. Ela dizia: “A qualidade do nosso relacionamento com Deus determina a quantidade de pessoas que vamos alcançar com o Evangelho.” Comecei a refletir sobre ela, daí me veio uma teoria que estudamos nos primeiros períodos de Direito: a Teoria da árvore dos frutos envenenados.

Essa teoria diz que provas obtidas por meio ilícito não são válidas no processo e têm força de anular todos os demais atos, mesmo que elas de fato provem algo. Fiz uma analogia de nossa vida espiritual e posição como mensageiros de Cristo neste mundo com essa teoria, me baseando na frase que vi no twitter. No Direito, se eu produzir provas por meio ilícito, essas provas não terão validade no processo e ainda poderei ser responsabilizada por ter infringido a lei, produzindo provas ilegais. E na vida espiritual? Se conduzo meu relacionamento com Cristo sem o devido valor, se ando sempre na contramão da vontade de Deus pra minha vida, os meus atos como “mensageiro”, pregando em igrejas, entregando folhetos, falando, cantando, serão válidos?

O que origina um testemunho real é o amor que tenho pela causa de Cristo e esse amor só adquiro com um relacionamento com Ele. Mas, por vezes, vemos que nosso testemunho não influencia a vida de ninguém. O problema, na maioria das vezes, não está na dureza do coração das pessoas e sim em nossa negligência ao conduzirmos nosso relacionamento com Cristo. E mesmo sabendo que estamos falhando nesse ponto, nós pregamos, mas tudo isso se torna sem valor. O testemunho começa no meu modo de viver com Cristo e por Cristo, se baseia no amor que tenho por Ele. Ele é amor.

“Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos (…)” “ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios da ciência, ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes (…)” “e ainda que eu distribua todos os meus bens aos pobres e ainda que eu entregue meu próprio corpo para ser queimado (…)”… ”se eu não tiver amor, nada serei; nada disso me aproveitará.” (I Coríntios 13:2,3)

Interessante também que no Direito, se produzo provas por meio ilícito, além de elas invalidarem todos os meus atos, serei responsabilizada por isso. Se meu testemunho se baseia em mera obrigação como cristão ou em meio para minha salvação, quando deveria se basear no amor (a Lei se baseia no amor), também serei responsabilizada por isso e serei julgada a partir dessa mesma Lei. Não podemos deixar que o farisaísmo tome conta de nossos atos como Igreja de Cristo. Temos que ter convicção que só seremos sal e luz quando fizermos de nosso relacionamento com Cristo a coisa mais importante que temos, assim como Ele nos considera como a obra mais linda e importante dEle. Isso não é maravilhoso? Saber que somos as criaturas mais importantes do mundo para o Rei do Universo? Retribuamos a esse amor! Que busquemos isso todos os dias, reconhecendo nossas falhas e deixando que Cristo molde nosso caráter para que nosso testemunho nos faça semelhantes a Ele e faça o meu próximo semelhante a Ele também.

Mariana Romlow, estudante de Direito, frequenta a IASD de Vila Pavão-ES, mora em Vila Pavão-ES.

1 Comentário


  1. http://www.youtube.com/watch?v=5Zw-x7HX9i4&feature=channel

    Que o Santo Espírito esteja sobre nós.
    “Clama em alta voz, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão, e à casa de Jacó os seus pecados.
    Todavia me procuram cada dia, tomam prazer em saber os meus caminhos; como se fossem um povo que praticasse a justiça e não tivesse abandonado a ordenança do seu Deus, pedem-me juízos retos, têm prazer em se chegar a Deus!,
    Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas para isso? por que temos afligido as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais, prosseguis nas vossas empresas, e exigis que se façam todos os vossos trabalhos.
    Eis que para contendas e rixas jejuais, e para ferirdes com punho iníquo! Jejuando vós assim como hoje, a vossa voz não se fará ouvir no alto.
    Seria esse o jejum que eu escolhi? o dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura, em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao Senhor?
    Acaso não é este o jejum que escolhi? que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? e que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo?
    Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?
    Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará. e a tua justiça irá adiante de ti; e a glória do Senhor será a tua retaguarda.
    Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-Me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente; e se abrires a tua alma ao faminto, e fartares o aflito; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio dia.
    O Senhor te guiará continuamente, e te fartará até em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca falham.
    E os que de ti procederem edificarão as ruínas antigas; e tu levantarás os fundamentos de muitas gerações; e serás chamado reparador da brecha, e restaurador de veredas para morar.
    Se desviares do sábado o teu pé, e deixares de prosseguir nas tuas empresas no meu santo dia; se ao sábado chamares deleitoso, ao santo dia do Senhor, digno de honra; se o honrares, não seguindo os teus caminhos, nem te ocupando nas tuas empresas, nem falando palavras vãs; então te deleitarás no Senhor, e eu te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do Senhor o disse.”(Isaias-58:1 a 14.)
    “Então dirá o Rei aos que estiverem à Sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me.
    Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando Te vimos com fome, e Te demos de comer? ou com sede, e Te demos de beber?
    Quando Te vimos forasteiro, e Te acolhemos? ou nu, e Te vestimos?
    Quando Te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-Te?
    E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a Mim o fizestes.
    Então dirá também aos que estiverem à Sua esquerda: Apartai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos;
    porque Tive fome, e não me destes de comer; Tive sede, e não me destes de beber; Era forasteiro, e não me acolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo, e na prisão, e não me visitastes. Então também estes perguntarão: Senhor, quando Te vimos com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Ao que lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a Mim.”(Mateus-25:34 a 45.)
    “Ao proclamarem os discípulos as verdades do evangelho em Jerusalém, Deus deu testemunho de sua Palavra e uma multidão creu. Muitos desses primeiros crentes foram imediatamente separados da família e dos amigos pelo zeloso fanatismo dos judeus, sendo portanto necessário prover-lhes alimento e abrigo. O relato declara: “Não havia pois entre eles necessitado algum.” Atos 4:34. E diz como as necessidades eram supridas. Aqueles dentre os crentes que tinham dinheiro e bens, alegremente sacrificavam-nos para socorrer na emergência. Vendendo suas casas ou suas terras, eles levavam o dinheiro e o depositavam aos pés dos apóstolos. “E repartia-se por cada um, segundo a necessidade que cada um tinha.” Atos 4:35. Esta liberalidade da parte dos crentes foi o resultado do derramamento do Espírito. “Era um o coração e a alma” (Atos 4:32) dos conversos ao evangelho. Um comum interesse os guiava – o êxito da missão a eles confiada; e a avareza não tinha lugar em sua vida.” (Atos dos Apostolos-Pág.70,71.) ?
    “E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.”(Tiago-1:22.)
    Shalom…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.