Amor aos animais: extremismo vegano?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Certa vez, conversando com alguém sobre vegetarianismo, a pessoa me disse que já havia lido todo o livro Conselhos Sobre o Regime Alimentar, e não havia nenhum argumento pró-vegetarianismo que tivesse a ver com o amor aos animais. Segundo ela, as orientações eram apenas de saúde.

É muito comum atribuirmos aos ativistas veganos a luta contra maltrato e morte de animais. Contudo, recentemente, enquanto pesquisava outro assunto, encontrei um texto no Espírito de Profecia que me fez refletir que o amor aos animais não é apenas um extremismo vegano, e que sim, um adventista do sétimo dia deve considerar a preservação da vida animal também!

Compartilho a seguir o texto lido, e convido você a refletir sobre esse assunto também:

“Pensai na crueldade que o regime cárneo envolve para com os animais, e seus efeitos sobre os que a infligem e nos que a observam. Como isso destrói a ternura com que devemos considerar as criaturas de Deus!

A inteligência apresentada por muitos mudos animais chega tão perto da inteligência humana que é um mistério. Os animais vêem e ouvem, amam, temem e sofrem. Eles se servem de seus órgãos muito mais fielmente do que muitos seres humanos dos seus. Manifestam simpatia e ternura para com seus companheiros de sofrimento. Muitos animais mostram pelos que deles cuidam uma afeição muito superior à que é manifestada por alguns membros da raça humana. Criam para com o homem apegos que se não rompem senão à custa de grandes sofrimentos de sua parte.

Que homem, dotado de um coração humano, havendo já cuidado de animais domésticos, poderia fitá-los nos olhos tão cheios de confiança e afeição, e entregá-los voluntariamente à faca do açougueiro? Como lhes poderia devorar a carne como um delicioso bocado? É um erro supor que a força muscular depende do uso de alimento animal. As necessidades do organismo podem ser melhor supridas, e mais vigorosa saúde se pode desfrutar, deixando de usá-lo. Os cereais, com frutas, nozes e verduras contêm todas as propriedades nutritivas necessárias a formar um bom sangue. Estes elementos não são tão bem, ou tão plenamente supridos pelo regime cárneo. Houvesse o uso da carne sido essencial à saúde e à força, e o alimento animal haveria sido incluído no regime do homem desde o princípio.” A Ciência do Bom Viver, p. 315 e 316.

Curiosamente, esse texto é citado também no livro Conselhos Sobre o Regime Alimentar, o qual a pessoa com quem conversei havia lido. Por isso gostaria de chamar a sua atenção para a necessidade de estudarmos cuidadosamente e com muita atenção os escritos de Ellen White e a Bíblia. Existem muitas instruções de Deus sobre a alimentação, inclusive na Bíblia, que muita gente não pratica. Agarrar-se a Levíticos 11 é muito fácil, mas até mesmo em Levíticos 11 existem coisas para as quais vejo muita gente desatenta.

Precisamos conhecer melhor a vontade de Deus.

7 Comentários


  1. Oi Karyne!

    Como quase vegana (como ovos caipiras.. Por enquanto!) fiquei muito emocionada em ler esse texto!
    Sou vegetariana a 4 anos, mas parei de ingerir lactose a apenas 1 mês… E como é sofrido! Com a carne não foi assim.

    Andava precisando de mais força e estímulo, parei de comer carne e agora os laticínios principalmente pelos animais e me sinto mais animada ao ver Ellen White com o mesmo pensamento, que devemos cuidar de nossos “bichinhos de estimação” de toda a Terra!

    Claro que na época dela laticínios e ovos não deviam ser a tortura de hoje, mas creio fielmente que se ela visse o que acontece hoje seria enfática ao pregar o veganismo e não apenas o vegetarianismo.

    Estou espalhando o texto, espero que nossos irmãos se animem, afinal, seremos cobrados sobre o mal que trouxemos ao nosso corpo e a natureza, né? 🙂

    Um grande dia com Jesus pra vc!

    Abração,
    Mari


  2. Olá Karyne!
    Sempre q passo por aqui acabo dando uma navegadinha por alguns sites,que podem ser desde os q contém os livros de EW como outros;muitas vezes p/ entender melhor o assunto.Deixando alguns princípios veganos (q divergem
    dos nossos), podemos compartilhar não só receitas,mas artigos q muito pode nos ajudar.Sei q ainda preciso melhorar a minha alimentação e partilhar assuntos como estes nos motiva a partir p/ a ação.E é claro,qdo tivermos mais dificuldades procurar a Fonte Maior q é nosso Deus.É bem isso que a Mariana citou acima!Um abraço!


  3. Ei Selma, com esse post, quis me deter apenas ao amor pelos animais. Os veganos possuem suas crenças e motivações, que podem sim diferir das nossas, mas não necessariamente todas, como essa que cito no post! =D


  4. De fato, a forma que os animais são tratados para produção industrial, são como meros objetos.
    Se um cristão pesquisar documentários (há vários), mesmo que não produzidos por adventistas, são muito esclarecedores,
    porque é daquela forma que criaturas ternas são preparadas para o consumo; com dor , tristeza, sofrimento, agonia, angústia.
    Que cristão que sabe como é o olhar do bichinho tão sofrido vai querer comer.
    Já escutei pessoas dizerem:
    – Não assisto porque nem gosto de ver isto…mas nem quer saber , para continuar com os velhos hábitos.

    Há outro texto do Espírito de profecia que deveria fazer a todos pensar:

    ´´Há de o povo, que está se preparando para tornar-se santo, puro e enobrecido, a fim de poder ser introduzido na sociedade dos anjos celestes, continuar a tirar a vida das criaturas de Deus e viver de sua carne, deliciando-se com ela como uma iguaria?´´
    Testemunhos Seletos vol. I pág.195 Ellen G. White – profetisa –

    Crei que esta passagem é muito clara;

    Que Deus nos ajude, nos ilumine, e nos dê ânimo e poder para Lhe obedecer.


  5. Karine gosto muito do seu site e foi através dele que tive vontade de criar um blog onde coloco as minhas experiências como adventista. Gostei muito da matéria e queria sua pemissão para coloca-la em meu blog, claro com as devidas referências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.