Respeito próprio. Você tem?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Tenho visto com frequência duas atitudes contrastantes entre os cristãos. A primeira diz respeito a uma falta de respeito próprio, e a segunda a um amor exacerbado pelo eu.

A falta de respeito próprio é, muitas vezes, justificada sob argumentos de que devemos ser humildes, modestas, e considerar o outro superior a nós mesmas. De fato, a Palavra de Deus diz: “…cada um considere os outros superiores a si mesmo.” Filipenses 2:3. Contudo, isso não é sinônimo de falta de respeito próprio.

A segunda atitude talvez seja a mais comum. A natureza humana tende ao pecado, sendo, na maioria das vezes, ao orgulho e não ao “excesso de humildade”. Sob argumentos de que devemos nos amar para então amar ao próximo, e que somos filhas do Rei, muitas mulheres têm se perdido em seu mundinho que gira em torno de um umbigo mimado. Vaidade, orgulho, dificuldade de ouvir, dificuldade de perdoar… o eu acima de tudo. Se necessário, até mesmo, acima de Deus. Esquecem-se que, biblicamente, o verdadeiro adorno é “o homem encoberto no coração; no incorruptível traje de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus.” 1 Pedro 3:4.

Ellen White fala sobre essas duas atitudes também. Para o primeiro caso ela escreve:

“O Senhor deu a cada um de nós o senso do respeito próprio, e não se deve contrariá-lo frontalmente. […] É privilégio de cada um viver de tal maneira que Deus o aprove e abençoe. […] Não é prova de verdadeira humildade andar de cabeça baixa, e o coração cheio de pensamentos em torno do próprio eu.” Filhas de Deus, p.111.

Para o segundo caso, ela escreve muito em poucas palavras:

“Viva para algo além de si mesma.” Filhas de Deus, p.113.

Queridas amigas. Somos filhas do Rei sim. Temos por dever amar a nós mesmas e sermos humildes ao mesmo tempo. Temos por dever cultivar o respeito próprio, e considerar o outro superior a nós mesmas. Isso não tem lógica em um mundo cheio de pecado, porque isso é atitude de quem pertence ao Reino de Deus. Se queremos viver no céu, precisamos iniciar a vida eterna aqui!

Respeitem-se, amem ao próximo e honrem à Deus!!

3 Comentários


  1. Boa tarde Karyne!!

    Esse assunto é incrível, né?
    É uma linha muito tênue entre ser totalmente dedicada aos outros e se esquecer de você, inclusive trazendo problemas para a família, afinal ninguém quer estar casado com uma desleixada, né? E só pensar em vc, largar os outros pra quando sobra um trocadinho e vc destina pra ADRA no envelope do dízimo.

    Continuo na luta para equilibrar isso!
    Inclusive, tudo a ver com meu espacinho! 🙂

    http://mulhervirtuosaproverbios31.blogspot.com.br/

    É um blog onde estou estudando o que a Bíblia fala sobre e para a mulher!

    Está sendo ótimo pois estou me dedicando mais a leitura da Bíblia (melhorando meu eu) e ajudo na proclamação do evangelho (pensando no próximo)!

    Bjão!
    Mari


  2. Oi Karine, Deus a abençoe e que alegria no Senhor Jesus Cristo poder estar participando novamente.
    “Com Jesus sendo nosso Senhorio desenvolvemos o Verdeiro Respeito Próprio”
    Aquele que deseja conservar seu respeito próprio deve ter cuidado em não ferir desnecessariamente os demais. Esta regra deve observar-se para com os mais duros de entendimento, para com os que mais erram. Não sabeis o que Deus Se propõe fazer com os que aparentemente prometem pouco. Ele aceitou no passado pessoas que não eram mais prometedoras nem atraentes que aqueles, para que fizessem uma grande obra por Ele. Seu Espirito, operando no coração, despertou toda a faculdade e fê-la obrar vigorosamente. O Senhor viu nessas pedras toscas e cheias de arestas, material precioso, que podia suportar a prova da tempestade, calor e pressão. Deus não olha do mesmo ponto de vista que o homem. Não julga pelas aparências, mas esquadrinha o coração e julga retamente.
    Como seres humanos, temos a tendência natural de defender nossos direitos muitas vezes sem levar em consideração os sentimentos e pensamentos alheios. Principalmente nós, os jovens, queremos agir, pensar, sentir e viver do nosso jeito, o que nos dá os adjetivos de revoltados e rebeldes. Durante algum tempo, tudo que temos que enfrentar são nossos pais, nossa família. Com o passar do tempo, porém, a vida ensina que não estamos sozinhos. Vivemos em sociedade, onde todas as pessoas querem ter seus pontos de vista respeitados. E é exatamente aí que aparece um conflito: eu X sociedade.
    Se cada cabeça é uma sentença, cada pessoa é um universo. E como seres dotados de livre-arbítrio, constantemente nos vemos ante situações conflitantes. Quanto mais envolvidos com as pessoas, quanto maior o número de pessoas com as quais nos relacionamos, e quanto mais profundo for o relacionamento, mais difícil se torna. Cada pessoa exige um padrão de comportamento baseado no seu próprio ponto de vista. Por outro lado, nosso eu grita, querendo ser respeitado.
    E o conflito se avoluma à espera de uma resolução feliz que, para ser efetuada, precisa de um equilíbrio muito grande, onde o respeito próprio seja valorizado sem machucar ou invadir o dos outros. Afinal, a paz ainda é o ingrediente mais procurado.
    Que não é fácil, todo mundo sabe. É muito mais simples seguir as tendências naturais de nossa personalidade. E sozinhos nessa luta, seria praticamente impossível obter algum resultado positivo.
    Quando Jesus diz que nos dá um novo coração, Ele sabe que é disto mesmo que precisamos para atingir este equilíbrio entre as coisas.
    Não é a intenção de Jesus que sejamos nulos, esquecendo nossos sonhos e ideais só para não causar conflitos com os demais. Ele quer que sejamos ativos, que sonhemos alto e busquemos uma realização dos nossos objetivos. Ele sabe que essa caminhada é difícil, que existem conflitos entre nossos desejos e os desejos dos outros, e nos incentiva a ser pacificadores quando diz: “Felizes são os mansos e simples, porque o mundo inteiro pertence a eles.”
    E em Gálatas 5:25 encontramos a mansidão na lista de virtudes apresentadas como resultado da presença do Espírito Santo na vida, junto com amor, alegria, paciência, domínio próprio e uma série de outras qualidades que só se manifestam quando Deus está no controle.
    A partir do momento em que o Espírito de Deus habitar em nós, será muito mais fácil ser uma pessoa equilibrada, com um senso humano respeitável. Porque Deus é assim. E quando formos semelhantes a Ele em caráter, a felicidade será muito mais constante em nossa vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.