O poder criador de Deus

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado; a Sua grandeza é insondável. Salmo 145:3

Geólogos ateus afirmam que o mundo é muito mais velho do que indica o relato bíblico. Eles rejeitam o relato bíblico devido a certas coisas que para eles são evidências, da própria Terra, de que o mundo tem existido por dezenas de milhares de anos. E muitos que professam crer no relato da Bíblia não sabem como explicar maravilhosas coisas que se encontram na Terra, com o conceito de que a semana da Criação consistiu apenas de sete dias literais e de que o mundo tem agora apenas cerca de seis mil anos. Estes, para se livrarem de dificuldades lançadas em seu caminho por geólogos irreligiosos, adotam a visão de que os seis dias de Criação foram seis vastos e indefinidos períodos, e que o dia de descanso de Deus foi outro período indefinido, tornando sem sentido o quarto mandamento da santa lei de Deus. Alguns impulsivamente aceitam essa visão, pois ela destrói a força do quarto mandamento e assim se sentem livres de sua reivindicação sobre eles.

Ossos humanos e de animais são encontrados na terra, em montanhas e vales, mostrando que seres humanos e feras muito maiores um dia existiram. Instrumentos de guerra são às vezes encontrados e também madeira petrificada. Uma vez que os ossos encontrados são maiores do que os de homens e animais que vivem atualmente, ou que existiram durante as gerações passadas, alguns concluem que a Terra foi habitada antes do registro da criação por uma raça de seres muito superiores em tamanho aos dos homens de hoje. Os que raciocinam dessa maneira têm idéias limitadas sobre o tamanho das pessoas, animais e árvores antes do dilúvio, e sobre as grandes mudanças que têm ocorrido na Terra.

Sem a história da Bíblia, a geologia não pode provar nada. […] Quando os homens deixam a Palavra de Deus a respeito da história da Criação e procuram explicar as obras criadas por Deus valendo-se de princípios naturais, eles se encontram num ilimitado oceano de incertezas. Deus nunca revelou aos mortais exatamente como realizou a obra da Criação em seis dias literais. As obras criadas por Ele são tão incompreensíveis como Sua existência (ST, 20/3/1879).

Fonte: Ellen White, Meditação Matinal Jesus Meu Modelo, 23/05/2009

3 Comentários


  1. Que o Espirito do Senhor esteja sobre nós…
    A simples afirmação de que Deus criou os céus e a terra é um dos conceitos mais desafiantes que enfrenta a mente moderna.
    Não há razão para crer que a duração dos dias da criação fosse com um período maior do que os de hoje, Deus criou as plantas no terceiro dia, se não fosse um dia normal como conhecemos, muitas plantas morreriam por falta prolongada de luz.
    “Ao sair o homem das mãos do Criador era de elevada estatura e perfeita simetria. O rosto trazia a rubra coloração da saúde, e resplendia com a luz da vida e com alegria. A altura de Adão era muito maior do que a dos homens que hoje habitam a Terra.”(Patriarcas e Profetas-Pág.45.) “Assim, foram revelados a Adão fatos importantes na história da humanidade, desde o tempo em que a sentença divina fora pronunciada no Éden, até o dilúvio, e, a seguir, até o primeiro advento do Filho de Deus. Mostrou-se-lhe que, conquanto o sacrifício de Cristo fosse de valor suficiente para salvar o mundo inteiro, muitos prefeririam uma vida de pecado em vez de arrependimento e obediência. O crime aumentaria durante gerações sucessivas, e a maldição do pecado repousaria mais e mais pesadamente sobre o gênero humano, sobre os animais e sobre a Terra. Os dias do homem seriam abreviados pela sua própria conduta de pecado; degenerar-se-ia ele em sua estatura e resistência física, e em sua faculdade moral e intelectual, até que o mundo se enchesse de misérias de todo o tipo.”(Patriarcas e Profetas-Pág.67,68.)
    “E os vivos justos e os santos ressuscitados unem as vozes em prolongada e jubilosa aclamação de vitória. Todos saem do túmulo com a mesma estatura que tinham quando ali entraram. Adão, que está em pé entre a multidão dos ressuscitados, é de grande altura e formas majestosas, de estatura pouco menor que o Filho de Deus. Apresenta assinalado contraste com o povo das gerações posteriores; sob este único ponto de vista se revela a grande degeneração da raça. Todos, porém, surgem com a vivacidade e o vigor de eterna juventude. No princípio o homem foi criado à semelhança de Deus, não somente no caráter, mas na forma e aspecto. O pecado desfigurou e quase obliterou a imagem divina; mas Cristo veio para restaurar aquilo que se havia perdido. Ele mudará nosso corpo vil, modelando-o conforme Seu corpo glorioso. As formas mortais, corruptíveis, destituídas de garbo, poluídas pelo pecado, tornam-se perfeitas, belas e imortais.” (O Grande Conflito-Pág.644,645.)
    ” Está para sempre terminada a obra de ruína de Satanás. Durante seis mil anos efetuou a sua vontade, enchendo a Terra de miséria e causando pesar por todo o Universo.” (O Grande Conflito-Pág.673.)
    “Tema ao Senhor a terra toda; temam-no todos os moradores do mundo.
    Pois ele falou, e tudo se fez; ele mandou, e logo tudo apareceu.
    O Senhor desfaz o conselho das nações, anula os intentos dos povos.
    O conselho do Senhor permanece para sempre, e os intentos do seu coração por todas as gerações.”(Salmos-33:8 a 11.)

    Shalom…


  2. Dois elementos são essenciais em qualquer esquema evolucionário, quer teísta quer ateísta: longos períodos de tempo e a suposta validade do enredo evolucionário, molécula-para-homem. Os ateístas mostram pouca preocupação pelo relato bíblico, exceto para ridicularizar as suas declarações. Evolucionistas teístas, porém, professam uma certa fidelidade às Escrituras e precisam tentar harmonizar o relato bíblico com o enredo evolucionário. O texto bíblico, pelo menos ao observador imparcial, indica um universo e uma terra formados em seis dias; evolucionistas supõem pelo menos seis bilhões de anos. O mecanismo pelo qual os evolucionístas teístas harmonizam os dois, é conhecido como a Teoria Dia-Era. O termo chave nesta tentativa de harmonia é a palavra dia como é usada em Gênesis 1. A palavra hebraica para dia é yom e, sabemos que ela é usada numa variedade de modos: (1) o período da luz do dia no cicio diurno, como em Gênesis 1:5,14,16,18; (2) um período normal de 24 horas; e (3). um período de tempo indefinido como no Salmo 90:10. A passagem para a qual invariavelmente se apela é 2 Pedro 3:8: “Para com o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia”. Também é alegado que houve demasiada atividade no sexto dia (Gênesis 2), para encaixar dentro de um dia normal: Adão nomeando milhares de animais e descobrindo a sua solidão, e a subsequente criação de Eva. A alegação então é de que os dias de Gênesis 1 são realmente longos períodos de tempo, que correspondem aos principais períodos da história geológica evolucionária.


  3. Olá irmão/irmã, com toda essa explicação, o relato bíblico continua sendo claro. foram 6 dias literais. Quando Deus dá sua leia ao povo ordenando a observância do sábado, ele justifica no fato de ter criado o mundo em 6 dias e descansado no 7º. A verdade não se harmoniza com a mentira!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.