Por que Cristo ainda não veio?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

“Nosso Salvador não apareceu tão depressa como esperávamos. Falhou, porém, a palavra do Senhor?” (Ellen G. White)

O movimento adventista surgiu com a expectativa da iminente vinda de Cristo e, mesmo depois do desapontamento de 1844, seus pioneiros continuaram aguardando esse evento. Partilhando fervorosamente dessa esperança[1] foi que, em 1851, Ellen G. White escreveu: “Vi que o tempo para Jesus permanecer no lugar santíssimo estava quase terminado e esse tempo podia durar apenas um pouquinho mais; que o tempo disponível que temos deve ser gasto em examinar a Bíblia, que nos julgará no último dia.”[2]
Entretanto, não tendo vindo Jesus, passadas três décadas, ela foi acusada de ter feito uma declaração falsa. Em resposta, ela argumentou que essa acusação também poderia ter sido feita a Cristo e aos apóstolos, que também chamaram a atenção para a urgência do tempo: “… o tempo é curto” (1Co 7:29). “Vai alta a noite e vem chegando o dia” (Rm 13:12).[3]
Obviamente, eles não estavam enganados. “Os anjos de Deus em suas mensagens aos homens, apresentam o tempo como muito breve. Assim ele me tem sido sempre apresentado. É verdade que o tempo tem prosseguido mais do que esperávamos nos primeiros tempos desta mensagem. Nosso Salvador não apareceu tão depressa como esperávamos. Falhou, porém, a palavra do Senhor? Nunca! Devemos lembrar que as promessas e ameaças de Deus são igualmente condicionais.”[4] A demora da segunda vinda acontece porque os filhos de Deus têm falhado em cumprir essas condições.[5]
Missão inconclusa
O Senhor deu a Seu povo uma missão a ser cumprida, antes de Sua vinda, ou seja, proclamar as mensagens dos três anjos (Ap 14), pregando o evangelho eterno, chamando a atenção do mundo para o santuário celestial e o ministério intercessor de Cristo e restaurando a observância do verdadeiro dia de repouso. “Houvessem os adventistas, depois da grande decepção de 1844, ficado firmes na fé, e seguido avante em união no caminho aberto pela providência de Deus, recebendo a mensagem do terceiro anjo e proclamando-a ao mundo… ,a obra se haveria completado, e Cristo teria vindo antes para receber Seu povo para lhe dar o galardão.”[6] Em vez disso, muitos crentes vacilaram na fé e se tornaram oponentes da verdade. Mas, “não era a vontade de Deus que a vinda de Cristo fosse assim retardada”.[7]
Ellen White comparou a demora da vinda de Jesus com a postergação da entrada dos israelitas em Canaã. Não era plano de Deus que vagueassem 40 anos no deserto; porém, por causa da falta de fé, retardaram a entrada na terra prometida (Hb 3:19). “Por quarenta anos a incredulidade, murmurações e rebelião excluíram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados têm retardado a entrada do moderno Israel na Canaã celeste. Em nenhum dos casos as promessas de Deus estiveram em falta. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo do Senhor que nos têm conservado neste mundo de pecado e dor por tantos anos.”[8]
Para os israelitas, Deus era culpado pela longa peregrinação. Semelhantemente, os cristãos laodiceanos correm o perigo de lançar a culpa em Deus pela demora da segunda vinda. “Talvez tenhamos de permanecer muitos anos mais neste mundo por causa de insubordinação, como aconteceu com os filhos de Israel; mas por amor de Cristo, Seu povo não deve acrescentar pecado a pecado, responsabilizando Deus pela consequência de seu procedimento errado.”[9]
Espera misericordiosa
Por outro lado, não é por indiferença ou esquecimento que o Senhor ainda não veio. É por misericórdia que Ele retarda Sua vinda (2Pe 3:9). “A longa noite de tristeza é árdua, mas a manhã é adiada em misericórdia, porque se o Mestre viesse, muitos seriam achados desprevenidos. A recusa de Deus em permitir que Seu povo pereça tem sido a razão de tão longa demora.”[10] E mais: “Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então Ele virá para reclamá-lo como Seu.”[11] Em suma, ainda não estamos preparados para ir ao Céu com Jesus.
Esse preparo inclui algo mais que o desenvolvimento de um caráter semelhante ao de Cristo. Envolve ajuda para que outros também se preparem. Desenvolvimento do caráter cristão e pregação do evangelho andam de mãos dadas; são dois aspectos de uma realidade. “O objetivo da vida cristã é a frutificação – a reprodução do caráter de Cristo no crente, para que Se possa reproduzir em outros.”[12]
Assim como Deus tem misericórdia de Seu povo, também é compassivo para com os descrentes. “Jesus retarda a Sua vinda, para que pecadores possam ter oportunidade de ouvir a advertência, e encontrar nEle refúgio antes que a ira de Deus seja derramada.”[13] E a nós foi confiada a tarefa de advertir o mundo. “Dando o evangelho ao mundo, está em nosso poder apressar a volta de nosso Senhor. Não nos cabe apenas aguardar, mas apressar o dia de Deus. Houvesse a igreja de Cristo feito a obra que lhe era designada, como Ele ordenou, o mundo inteiro haveria sido antes advertido, e o Senhor Jesus teria vindo à Terra em poder e grande glória.”[14]
A espera pode nos parecer muito longa e difícil de ser suportada. Porém, “quando, com os remidos, estivermos em pé sobre o mar de vidro, com harpas de ouro e coroas de glória, tendo à nossa frente a imensurável eternidade, então veremos como foi curto o período de provação e espera”.[15]
Ele vem
A verdade é que, independentemente de quanto tempo tenhamos que esperar, é certo que Jesus virá, pois Ele mesmo prometeu (Jo 14:3; Ap 22:20). Por isso, Ellen G. White manteve sempre viva a esperança no indubitável regresso de Jesus à Terra. Jamais perdeu a confiança nem ficou impaciente; não dependia de data específica. Ela estava certa de que o Senhor não falha (Hb 10:37). Em uma carta, escrita em 1888, ela disse: “Ainda que desiludida, nossa fé não tem vacilado nem temos nos voltado à perdição. A demora é aparente porque, no tempo designado, nosso Senhor virá; e nós, se formos fiéis, exclamaremos: ‘Eis que Este é o nosso Deus, em quem esperávamos, e Ele nos salvará’”.[16]
O mais importante não é saber as razões pelas quais Cristo ainda não veio, mas estar preparados para recebê-Lo. Nosso maior perigo não é deixar de crer na vinda de Jesus, mas pensar: “Meu senhor demora-se” (Mt 24:48). Essa é uma atitude que nos leva ao egoísmo e ao mundanismo, fazendo-nos adiar nosso preparo e mantendo-nos adormecidos numa falsa segurança, indiferentes aos interesses eternos.
“Todo o que pretende ser um servo de Deus é convidado a realizar Seu serviço como se cada dia fosse o último.”[17] “Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim” (Mt 24:46).

Referências:
1 Ellen G. White, Eventos Finais, p. 36, 37.
2 __________, Primeiros Escritos, p. 58.
3 __________, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 67.
4 Ibid.
5 Ellen G. White, Maranata: O Senhor Vem! (MM, 1977), p. 53.
6 __________, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 68.
7 Ibid.
8 Ibid., p. 69.
9 Ellen G. White, Evangelismo, p. 696.
10 Ibid., p. 694.
11 Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 69.
12 Ibid., p. 67.
13 Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 458.
14 _________, O Desejado de Todas as Nações, p. 633, 634.
15 __________, Eventos Finais, p. 42.
16 __________, Manuscript Releases, v. 10, p. 270.
17 __________, Maranata: O Senhor Vem!, p. 106.

Fonte: Texto escrito pelo pastor Carlos A. Steger, e publicado na Revista Ministério

6 Comentários


  1. ?Mas ainda que demore ou mesmo que pareça
    Um dia prometi voltar e pronto estou a cumprir ? (Jader Santos)

    Devemos permanecer firmes na promessa, pois a história já nos mostrou que Jesus cumpre suas promessas!


  2. Jesus nos disse que vinha, isso é certo:

    Nosso Salvador virá outra vez. Antes de partir, Ele mesmo anunciou aos discípulos a promessa de Seu retorno: “Não se turbe o vosso coração. … Na casa de meu Pai há muitas moradas. … Vou preparar-vos lugar. E, quando Eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, estejais vós também.” João 14:1-3.

    Ele não deixou dúvida quando à maneira de Seu retorno: “Quando vier o Filho do Homem na Sua majestade e todos os anjos com Ele, então, Se assentará no trono da Sua glória; e todas as nações serão reunidas em Sua presença.” Mat. 25:31 e 32.

    Cristo vem, com poder e grande glória nas nuvens do céu. Uma multidão de anjos resplandecentes virá com Ele. Ele virá para ressuscitar os mortos e transformar os santos vivos de glória em glória. Virá para honrar e levar consigo os que O amam e guardam os Seus mandamentos. Não Se esqueceu deles, nem de Sua promessa.

    Esse tempo está próximo. Um pouco mais e então veremos o Rei em Sua formosura. Ainda um pouco e Ele enxugará dos olhos toda lágrima. Mais um pouco, e Ele nos apresentará “com exultação, imaculados diante da Sua glória.” Jud. 24.

    Porém enquqnto ele não vem devemos aguardar trabalhando para que isso aconteça:
    Aguardar Trabalhando

    Enquanto vigiamos aguardando a vinda de Jesus, não devemos ficar na ociosidade. A expectativa do retorno de Cristo leva as pessoas a temerem os juízos sobre as transgressões. Deve despertá-las para o arrependimento de seus pecados que resultam da quebra dos mandamentos de Deus..

    Enquanto vigiamos, aguardando a vinda do Senhor, devemos trabalhar diligentemente. Saber que Ele está às portas, deve levar-nos a trabalhar com mais dedicação pela salvação de nossos semelhantes. Assim como Noé anunciou a mensagem de destruição do mundo antes do dilúvio, todos os que compreendem a Palavra de Deus, devem advertir as pessoas de seu tempo.

    Citações de EGW, A Vida de Jesus, p.173, 177 e 180.


  3. Que o Amor de Cristo nos una para que possamos permanecer firmes e perseverantes…
    Deus jamais desamparou seu povo e muito menos rompeu com Suas Promessas; nós sim, por qualquer intempérie da vida, temos lábios duros e amargos com o Senhor, magoando o Seu coração; e deixando nos levar por toda sorte de ventos…
    Com quase seis mil anos de criação da Terra, achamos que a promessa de Deus, proferida no Éden, tem demorado; mas para Deus, mil anos é como um dia.
    “Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.” (2º-Pedro-3:8.)
    E quando Jesus disse que o tempo estava próximo (e se passaram quase dois mil anos), Ele não mentiu porque Cristo também é Deus, e mil anos para Ele é como o dia de ontem.
    “Porque mil anos aos teus olhos são como o dia de ontem que passou, e como uma vigília da noite.” (Salmos-90:4.)
    O tempo está certo com as Profecias, a irmã Ellen White nos relata que quando a Terra por volta dos seis mil anos, Nosso Salvador Jesus, o Cristo, viria.
    “Chegará o estrondo até à extremidade da Terra, porque o Senhor tem contenda com as nações, entrará em juízo com toda a carne; os ímpios entregará à espada.” Jer. 25:31. Seis mil anos esteve em andamento o grande conflito; o Filho de Deus e Seus mensageiros celestiais estavam em conflito com o poder do maligno, a fim de advertir, esclarecer e salvar os filhos dos homens.” (O Grande Conflito-pág.656.)
    “Deveras o meu povo é insensato, já me não conhece; são filhos obtusos, e não entendidos; são sábios para fazerem o mal, mas não sabem fazer o bem.
    Observei a terra, e eis que era sem forma e vazia; também os céus, e não tinham a sua luz.
    Observei os montes, e eis que estavam tremendo; e todos os outeiros estremeciam.
    Observei e eis que não havia homem algum, e todas as aves do céu tinham fugido. Pois assim diz o Senhor: Toda a terra ficará assolada; de todo, porém, não a consumirei. Por isso lamentará a terra, e os céus em cima se enegrecerão; porquanto assim o disse Eu, assim o propus, e não me arrependi, nem me desviarei disso.” (JEREMIAS-4:22 a 28.)
    “Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios.”(1-Tessalonicenses-5:4 a 6.)
    “Na última visão que me foi dada em Battle Creek, por ocasião de nossa reunião campal geral, foi-me mostrado nosso perigo como um povo, de nos assemelharmos ao mundo, e não à imagem de Cristo. Achamo-nos agora nas próprias fronteiras do mundo eterno; mas é desígnio do adversário de nossas almas levar-nos a adiar para longe o fim do tempo. Satanás assaltará de todas as maneiras possíveis os que professam ser observadores dos mandamentos de Deus, e estar aguardando a segunda vinda de nosso Salvador nas nuvens do céu, com poder e grande glória. Ele levará o maior número possível a adiarem o dia mau e tornarem-se, no procedimento, semelhantes ao mundo, imitando-lhe os costumes. Senti-me alarmada quando vi que o espírito do mundo controlava o coração e a mente de muitos que fazem alta profissão da verdade. Abrigam o egoísmo e a condescendência consigo mesmos; mas não cultivam a verdadeira piedade e a genuína integridade.” Testemunhos Seletos – Volume 1-PG.503.
    Shalom…


  4. linda mensagem que possamos amar mais a volta de JESUS todos pregadores preguem mais sobre a breve vinda de JESUS quando a quase 16 anos atraz eu entrei na igreja parecia que JESUS estava muito perto pelas pregaçôes fervorasas sobre a volta de JESUS hoje que está tâo perto da volta de JESUS o povo de DEUS parece que está acomodado com o mundo que querendo ficar aqui mais uns bons anos vamos acordar irmãos cade os nossos pregadores que amam a vinda de JESUS por favor pastores preguem mais sobre a breve vinda de JESUS maranata


  5. Cristo ainda não vio porque está dando uma opurtinidade,de Eu Voce se converter-mos dos nossos maus caminhos, assim sucedendo,permancer fiél em em sua direcção,Ele é o meu alvo enquanto não o alcansar não,devo me confortar.
    Assim como a morte não sabemos quando é o nosso dia ,mas temos a certeza de que estou sujeita a Ela,esperando incondicionalmente,ELe virá.
    uma pergunta deixo no ar onde e como ELE vai te encontrar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.