É nossa missão!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Nos últimos meses tenho me dedicado à leitura e ao estudo do livro “A Ciência do Bom Viver” de Ellen G. White e dois capítulos, em especial, me chamaram muitíssimo a atenção: “Auxílio aos tentados” e “A obra em favor dos intemperantes.”

Eles relatam um trabalho belíssimo e nos dão a oportunidade de presentear a Deus com o mais valioso presente que poderíamos oferecer, quer seja o auxílio a uma alma presa aos maus hábitos, fortes preconceitos ou às dominantes paixões humanas.

Parábolas como a da ovelha perdida, da dracma perdida e do filho pródigo foram contadas por Jesus a fim de demonstrar a todos seu imenso amor para com àqueles que se encontram perdidos, não só da casa de Deus, mas perdidos em suas almas culpadas e impotentes diante das artimanhas de Satanás.

“Toda criatura humana é objeto de amoroso interesse por parte dAquele que deu a vida a fim de reconduzir os homens a Deus[…] Aquele que deu sua vida para redimir os homens vê em toda criatura humana um valor que excede ao cálculo infinito.”ACBV, pág. 162.

Devemos estar atentos a esses irmãos e irmãs antes que a porta da graça se feche e não haja mais tempo.

Esse ministério tão valoroso aos olhos de Deus foi iniciado por Cristo e é assim, contemplando o seu evangelho, que podemos aprender como terminá-lo:

1. Humildade, com a simpatia natural de Cristo – Ninguém poderá realizar o trabalho considerando-se mais santo que o outro;
2. Infatigável interesse e crescente insistência – Nada deve esfriar o desejo pela salvação dos nossos irmãos;
3. Respeito – Por mais degradante que for a situação, não devemos nos demonstrar chocados ou ofendidos e, sim, sensibilizados com a dor;
4. Com um senso de nossas próprias fraquezas, olhar “por ti mesmo, para que não sejas também tentado.” Gálatas 6:1;
5. Cuidado! Não devemos apontar os erros – Lembre-se de quem é o grande acusador;
6. Não demonstrar desconfiança de que irá cair novamente – O respeito por si mesmo deve ser cultivado;
7. Necessitamos colocar-nos no lugar dos nossos irmãos tentados – Devemos buscar compreender suas fraquezas, o poder da hereditariedade, a influência das más companhias, dos sofrimentos causados na infância e a força dos maus hábitos;
8. Erguei-os a Deus em oração;
9. Falai-lhes das promessas – Em toda tentação, as palavras de Cristo eram “Está escrito”;
10. Faça-os reconhecer que somente em Deus terão forças para vencer – Ninguém consegue vencer o pecado pelas próprias forças e resoluções.

“Pela oração, pelo estudo de Sua Palavra, pela fé em sua constante presença, a mais fraca das criaturas humanas pode viver em contato com o Cristo vivo, e Ele a segurará com mão que nunca soltará.” ACBV, pág. 182.

“E verão o Seu rosto, e na sua testa estará o Seu nome.” Apoc. 22:4

Post em agradecimento à Karyne Lira, Ruti Guzanche, Alex Torres, Jean Guzanche e Marquinh05.

post escrito por Emanuelle Monteiro

2 Comentários


  1. È verdade e temos uma grande missão pela fente, que Deus nos de forças para fazer sua vontade.


  2. Que honra podermos participar de uma obra tão valiosa, a começar pela maravilhosa inspiração de Cristo Jesus.

    Parabéns pela matéria.

    Jean.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.