Entrevista com Lauziene Andrade

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Hoje, nossa entrevista é com a amiga Lauzi, aquela que me acompanha desde o início do blog MulherAdventista.com.

1. Quem é Lauziene e como é Lauziene?
Lauziene Andrade Soares é Adventista do Sétimo dia de berço, biomédica, solteira, 25 anos, que gosta de música. Fez 8 anos de piano e 2 de flauta transversa. Atualmente atua como responsável de um laboratório de Análises Clínicas que está Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória – VItória, ES. É filha única de Launir e Ozias Soares. Frequenta a Igreja Adventista Central de Vila Velha, na qual é responsável pelos ensaios do conjunto Perspectiva Vocal.

2. Você atua como pianista na IASD, e toca para um grupo também. O que te levou a estudar música?
Como eu havia dito, eu estou frequentando a Igreja Adventista Central de Vila Velha. Já frequentei a Igreja Adventista do Ibes, mas o envolvimento com o grupo de jovens, e com o vocal me fizeram mudar de igreja.
A música surgiu em minha vida por conta da minha mãe. Ela sempre quis estudar piano e como não pode, me colocou para estudar. Sempre gostei muito de música, apesar de achar que não tenho nenhuma aptidão para cantar.
Já ensaiei um quarteto masculino e um vocal misto (Josh) e agora ensaio o conjunto Perpectiva Vocal, com 8 componentes.

3. O que significa música e louvor para você?
Pra mim há uma grande diferença entre essas duas palavras.
A música é a junção de som, ritmos e harmonia. Ela pode ser feita por qualquer um que conheça e siga uma determinada seqüencia, seja ela de notas, ou de tempos (como na percussão).
Já o Louvor é diferente! É algo que vem de dentro do coração de um verdadeiro adorador.
Não é qualquer pessoa que faz um louvor através da música, mas todos podem fazer.
E o verdadeiro louvor, pra mim, tem que ser aquele que vem do coração. Não só cantar porque tem um espaço na programação ou porque não há ninguém pra fazer. Mas louvar sentindo aquilo que se canta / toca.

4. Mesmo tendo estudado piano, e apesar de trabalhar com música na Igreja, você escolheu ser biomédica. Como foi essa escolha?
Não acredito que escolhi ser biomédica, mas sim que Deus escolheu a biomedicina pra mim. Um professor de pré-vestibular me disse que se eu gostava de laboratório, deveria ser biomédica. A única faculdade que havia no estado era particular, e não tinha dinheiro para fazer o curso. Minha família e eu oramos muito sobre isso. Daí Deus começou a fazer o milagre. Minha mãe que estava há 6 anos desempregada conseguiu um emprego e assim consegui pagar minha faculdade. Um mês ANTES de eu terminar o curso (4 anos) minha mãe fica novamente desempregada. Dei monitoria, fiz estágio, tudo para tentar ajudar nos custos do curso. E graças a Deus me formei, porque Ele me ajudou a fazer isso.

5. Como é sua rotina como biomédica, e de que forma você consegue enxergar Deus na sua profissão?
Eu lido muito com dois extremos: a vida e a morte. Todos os dias de manhã eu chego no laboratório, faço minha rotina de controle de qualidade de alguns equipamentos, e em seguida vou liberar alguns exames de alguns setores primordiais, entre eles a oncologia. Tenho que liberar até as 10hs os exames porque as crianças precisam para serem liberadas para começar a quimioterapia. Quando vou pegar os tubos ou quando vou entregar resultados eu vejo esperança em crianças sem nenhum fio de cabelo. Vejo que elas acreditam em Deus mesmo que todos tenham dito que elas estão desenganadas. Vejo pais velando em cima de crianças que os médicos já dizem estar com Morte Cerebral. E mesmo assim eles não desistem…porque eles tem FÉ. São inúmeras experiências em que Deus me ensina que eu posso amar mais, e ser mais fiel..porque Ele me deu muito além do que mereço e me ama sem medida.

6. Conte-nos uma experiência marcante que você teve com Deus
Acho que a experiência mais marcante que tive foi COMO eu entrei no Laboratório que trabalho.
Sempre gostei muito de trabalhar com genética. Meu trabalho de conclusão de curso foi nessa área. E isso me abriu algumas portas no meio acadêmico com algumas pessoas que trabalham com a mesma linha de raciocínio em outras cidades. Entre eles o Dr. Medina, que é responsável pelo Centro de Diagnóstico de Doenças Genéticas em Campos dos Goytacazes, RJ. O mesmo me chamou para fazer mestrado lá. O curso tem um ótimo conceito no MEC, a concorrência para o mestrado era zero (porque ele só aceita que faça a prova quem ele quer que passe). Tudo contribuía para eu ir pra Campos. Entretanto orei muito a Deus para saber se era isso mesmo que Ele queria pra mim. Campos fica há umas 4 horas de Vitória e eu tinha que comprar a passagem para o domingo (dia da prova). Decidi que iria comprar a passagem na sexta-feira. Na quarta-feira algo aconteceu: me ligaram de um laboratório que eu nunca tinha ouvido falar, pedindo para que eu fosse levar um currículo lá no Laboratório do Hospital Infantil. Ao chegar lá vi que era uma série de entrevistas, e tinha umas 15 pessoas pro cargo que eu estava pretendendo. Gente que tinha trabalhado até em alguns laboratórios de renome. Teve uma entrevista e uma prova prática. Após a entrevista a responsável pelo RH me disse que eu tinha grande chances para a vaga, e curiosa eu perguntei a ela como ela tinha conseguido o meu currículo. Ela disse que tinha achado ele em um site. Entretanto, tinha 3 anos que eu tinha feito aquele currículo. Deus tinha a minha benção guardada para o momento CERTO. Na sexta-feira eles me ligaram e falaram que a vaga era minha. Deus estava mostrando onde ele queria que eu ficasse. Essa foi a maior prova da presença de Deus na direção da minha vida.

7. O que significa para você ser Mulher Adventista?
Ser mulher Adventista é mais do que ser uma mulher. É mostrar a outras pessoas que Deus é nosso guia, nossa luz e que elas também podem compartilhar essa sensação se aceitarem. Seja você também uma MulherAdventista.

6 Comentários


  1. Amei a entrevista com a Lauzi. Conheço-a apenas pela internet e costumo bater alguns papos com ela. Admiro-a como profissional competente e como pessoa. Tudo de bom, Lauzi. Ainda vou conhece-la pessosalmente.
    Da amiga
    Celina


  2. Gostei muito de te conhecer Lauzi! é interessante como tem algo em comum entre essa equipe, A MUSICA! rsrs


  3. Olá Lauziane!Quanto tempo não via vc por aqui.Parabéns pelo
    seu trabalho,deve ser bastante gratificante poder ajudar as pessoas.Aliás,parece q vc e Karyne são polivalentes rsrsrs,
    de tantas coisas q fazem!Que Deus continue as abençoando,viu? Bjs e um abraço carinhoso.


  4. Oi Lauzi!
    Eu já queria ter deixado um comentário aqui na tua entrevista, mas não deu.
    Gostei muito de saber um pouco mais de você, do que fazes, do teu envolvimento com a música, do teu testemunho quanto a escolha da tua profissão, enfim…
    És muito especial e os textos que sempre são ótimos. Escreva mais aqui menina….rsrsrs.
    Que o Senhor continue te abençoando grandemente.
    Beijinhos.


  5. OI Lauziene gostei de conhecer vc, gosta dos textos que vc escreve e també adoro musica, eu canto(ou tento) na igreja.Amei seu testemunho Deus é unico e não há nada melhor que o seus milagres. Que Deus a abençoe
    Bjs


  6. OI Lauzi!
    Quanto Tempooooo! Estou com saudades. Agora ficou mais dificil nos encontrarmos pois quando vou a Vila velha só tenho tempo para ir a igreja do Ibes.
    Amei a entrevista. Que Deus continue te abençoando! Beijos! Fique com Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.