Mulher: quanto você vale no Antigo e no Novo Testamento?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Durante muito tempo, você mulher, era considerada sem valor e tida apenas como uma propriedade. Primeiro você foi propriedade do seu pai, que arranjava o seu casamento como se fosse uma transação comercial. Depois você foi propriedade do marido, que esperava que você fosse uma boa dona-de-casa e mãe, e a você dispensava o conhecimento e cultura, para que não contestasse a condição de submissão exigida.

No entanto, desde a antiguidade até os dias atuais você vem galgando novas posições, transpondo obstáculos e rompendo velhos preconceitos e isso é fato. A sociedade moderna a cada dia atribui mais e mais valores a você.

Porém, é verdade que em alguns lugares você ainda é desprezada e reprimida: desvalorizada. Atualmente moro em um país onde mesmo vocês exercendo os mesmos cargos que nós, homens, vocês ganham menos e suas qualificações são pouco reconhecidas, pois seus salários são vistos como complemento na renda familiar. E para chegar a um cargo de chefia é exigido de você muito mais do que um de nós.

Diante dessa variável de valores que você recebe hoje já parou para pensar qual o valor que o seu Criador te da nas páginas Sagradas?

Saiba que você tem e merece um valor inestimável!
A Bíblia diz assim:
“Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar; e da costela que o senhor Deus lhe tomara, formou a mulher (você) e a trouxe ao homem. Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada.” (Gênesis 2:21-23)

Você foi criada da costela do homem e depois dele, portanto, há quem pense que você deve ocupar um lugar secundário. Mas é importante notar que foi o ato criativo direto de Deus, transformar a costela dando a você o seu ser. Você foi tomada do homem, mas seu primeiro e primordial contato é com seu Criador. Assim vemos que nem mesmo a derivação é um argumento forte para a sua subordinação a nós homens. Está errado dizer que você deve sua existência ao homem, assim como seria errado dizer que o homem deve sua existência ao pó da terra. Tanto o homem como você são apresentados como criados diretamente por um ato individual e proposital do Criador. O primeiro encontro seu não foi com seu marido mas com Deus! Já pensou nisso?

Em uma análise simples do Antigo Testamento, nota-se uma acentuada opressão a você, mas decorrida do pecado. Não era costume considerar você como ser próprio, mas em relação a nós sob cuja autoridade você estava colocada. Ryder Smith explica que o conceito do Antigo Testamento da sua posição na sociedade era determinada quase exclusivamente pela sua avaliação feita por seu marido. O fato de seu pai ser o cabeça legal da família e de que todas vocês sempre estavam sob autoridade de algum homem, primeiro seu pai e depois seu marido, talvez seja a chave para o modo pelo  qual vocês, no tempo de Israel, eram tratadas. Às vezes, você como esposa era considerada um simples meio de obter filhos, pois todo israelita achava vitalmente importante ter filhos para dar continuidade a sua linhagem. Porém, o autor de Provérbios 31 inspirado por Deus certamente apresenta você como alguém muito mais importante do que uma simples procriadora e nutriz dos filhos do marido.

Em uma visão geral, temos ainda um panorama da situação de vocês no tempo de Israel subordinadas aos seus maridos e geralmente em posição inferior aos dos homens. A maneira como você era tratada e o tipo de vida que levava dependiam principalmente da atitude do seu marido e da posição dele na sociedade.

Contudo, apesar da forte preponderância do gênero masculino, o Antigo Testamento estudado minuciosamente apresenta a liberdade da opressão para as vocês no sentido de que devem ser tratadas com gentileza e bondade dentro do que é considerada a sua própria esfera, e não que devam ser libertadas dessa esfera.

Exemplos de vocês no AT
SARA
Depois de Eva, a primeira mulher na Bíblia a receber mais do que apenas uma observação passageira foi Sara. Evidentemente ela era uma mulher de personalidade vigorosa. Ela não era um mero objeto, sem capacidade de raciocínio ou vontade própria. Pelo contrário, podemos deduzir que ela foi uma mulher hábil e decidida. Mas ela permanece como o exemplo das “santas mulheres que esperavam em Deus, e estavam sujeitas aos seus próprios maridos”, pois lemos “como Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor; da qual vós sois filhas, fazendo o bem” (1 Pd 3:5,6). Isto demonstra claramente como a posição em relação ao homem, e a prática seguida pelas piedosas mulheres da antigüidade.

DÉBORA
Débora ocupa um lugar de destaque nas Escrituras. Foi uma profetisa – também era mulher casada e juíza em Israel. Ela foi uma exceção à regra, mas a exceção comprova a regra. As Escrituras não falam contra o lugar que ela ocupou, mas também não o aprovam. Contudo é suficiente o que foi dito pela própria Débora para vermos o que ela pensava sobre o assunto – condenou, pelo menos, a negligência dos homens, para não dizermos mais (Jz 4:4-10).

Ela convocou Baraque para que atacasse Sísera. No papel de profetisa, disse-lhe que o Senhor entregaria o inimigo em suas mãos. Mas Baraque, em sua covardia, não quis ir, a não ser que Débora o acompanhasse. Ela prontamente concordou com seu pedido, mas o informou que daquela missão ele não teria nenhuma honra – Sísera seria apanhado pela mão de uma mulher. Certamente a observação de Débora implicava que, se era motivo de vergonha para Baraque que uma mulher matasse Sísera, não era menos vergonhoso que uma mulher fosse obrigada, pela covardia dos homens, a julgar Israel.

Vocês no Novo Testamento

Nos evangelhos

No período do Novo Testamento examinamos a atitude e o comportamento de Jesus conforme apresentado nos evangelhos, imediatamente tomamos consciência de um contraste surpreendente. A maneira de Jesus lidar com vocês foi sem precedentes no Judaísmo contemporâneo. A atitude dEle aparece claramente em todos os lugares e de todas as formas: as parábolas, os milagres, os discursos etc., tudo nos leva à mesma conclusão: ele estava interessado em vocês, ele curou vocês, as tocou e deixou que O seguissem. Ele se relacionou com vocês como seres humanos e não como seres sexuais. Ele falou com vocês e a respeito de vocês sem restrições. Preocupou-se com vocês!

Assim o retrato de Jesus que surge nas narrativas dos evangelhos é claro e consistente, Sua atitude para com vocês era surpreendente nova; ele podia misturar-se livremente e naturalmente com todos os tipos de vocês, e vocês o seguiam e o serviam. Sua maneira pode ser descrita como revolucionárias, e nós devemos ter o cuidado, na avaliação do impacto das atitudes de Jesus do nosso ponto de vista pós-revolucionário de não esquecer o quanto revolucionário Ele era.

Alguns destaques no NT
Quando nos aproximamos do Novo Testamento, descobrimos a posição de muitas de vocês piedosas, honradas e belas no mais alto grau. A virgem Maria – “agraciada” – “bendita entre as mulheres”; sua prima Isabel, mãe de João Batista; Ana, idosa viúva de oitenta e quatro anos, dedicada ao serviço de Deus, são as mais belas personagens conectadas ao nascimento de Cristo.
Maria, a irmã de Lázaro, assentava-se aos pés do Senhor para ouvir a Sua palavra. Foi ela que O ungiu para o Seu sepultamento, uma ação que jamais perderá a sua fragrância – “onde quer que este Evangelho for pregado, em todo o mundo, também será referido o que ela fez para memória sua” (Mt 26:13). Ela recebeu um elogio que não poderia ser mais elevado: “Esta fez o que podia” (Mc 14:8). À Maria Madalena foi concedida a alta honra de transmitir a maravilhosa mensagem da ressurreição de Cristo aos Seus discípulos: “Dize-lhes que eu subo para o meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus” (Jo 20:17). Pensem em vocês que serviam o bendito Senhor Jesus (Lc 8:3). Que honra!

Mulheres em Atos e Epístolas
Existe uma notável consistência e unidade nos ensinamentos dados por Paulo e outros escritores no Novo testamento às diferentes igrejas, e a cada igreja faz parte de um todo bem maior. A igreja como um todo foi muito bem definidamente apresentada como um corpo. Em Gálatas 3:26-29 Paulo chama a todos de “filhos de Deus”mediante a fé em Cristo Jesus, citando claramente que não há homem nem mulher, nem escravo nem livre, nem judeu nem grego, todos são um em Cristo. Estes versos tornam explicito o que está claro em todo o Novo Testamento, que em relação a Deus, nós homens e vocês mulheres estamos exatamente na mesma posição.

Está certo enfatizar que neste texto Paulo está mais interessado na unidade que na igualdade que o evangelho proporciona. Paulo mostra claramente que homem e mulher se relacionam de maneira igual com Deus. O uso da palavra “filhos” demonstra isso. Todos os seres humanos quer escravos ou livres, judeus ou gregos, homens ou mulheres são filhos de Deus. E assim sendo, tornam-se herdeiros que têm direito a tudo o que os recursos do Pai podem lhes dar.

Conclusão
Embora em certos casos não tenhamos informações suficientes para criar um quadro completo da atitude para com vocês no período bíblico, e em outros haja uma ambigüidade que nos adverte contra conclusões dogmáticas demais, não obstante encontramos um nível notável de clareza e consistência no material bíblico em relação às vocês mulheres.

O AT trata de uma sociedade orientada e dominada pelos machos, mas apesar disto, vocês, embora ocupando um lugar secundário, também são membros da comunidade da aliança com um importante papel a executar, não apenas como esposas e mães, mas como indivíduos.

A atitude de Jesus, nos quatro evangelhos contrasta vivamente com estes antecedentes. Embora ele de maneira nenhuma negasse a diferença entra os sexos, houve muita pouca diferença no seu modo de tratar homens e mulheres.

Lembre-se: Você, só você é única e preciosa aos olhos do Pai! Meu desejo é que você receba seu devido valor aonde quer que seja! Parabéns!

Bibliografia
Mary Evans, A Mulher na Bíblia, uma reavaliação do papel da mulher na igreja e na sociedade, (SP: São Paulo, 1ª edição, 1986).

Texto enviado pelo Pr.Flávio Inahara Barbosa de Souza – Pastor Adventista de uma Igreja Brasileira no Japão e auxiliar de uma igreja Japonesa.

Muito obrigada, Pr. Flávio, por participar conosco dessa semana especial em homenagem às mulheres! Deus continue abençoando ao senhor e sua família no trabalho que realizam aí no Japão!

5 Comentários


  1. Infelizmente, ainda vivemos numa sociedade predominantemente machista, mas cabe a nós conquistarmos nosso espaço a cada dia. Vivo numa pequena cidade do interior de São Paulo, com menos de 20 mil habitantes e sempre trabalhei com homens, de igual pra igual. Meu trabalho é essencialmente intelectual e, muitas vezes, sou procurada pra aconselhá-los em suas decisões. Estou no sétimo ano no mesmo trabalho, em cargo comissionado, procurando sempre ser imparcial e firme nas minhas ações. Acho que isso conta muito na minha permanência até hoje nesse local e com o devido respeito e reconhecimento. Na igreja também conquistei o meu espaço, dirigindo alguns departamentos, pregando, e participando ativamente de todos os assuntos relacionados a ela. Acho que Deus tem me abençoado ricamente. Mas tem um “segredinho” que já espalhei pra todas as mulheres da igreja e para as que também trabalham comigo: “buscar Deus na primeira hora de cada manhã”. Só Ele pode nos dar sabedoria e força pra enfrentar os “gigantes” do dia a dia.
    Obrigada, pastor Flávio, pela mensagem, e obrigada por poder compartilhar com vocês deste site.


  2. Belíssimo texto, obriagdo Pr. Flávio.

    O Brasil é um país onde tem muitos problemas de violência contra a mulher, mas também é um país onde nós já conquistamos muito espaço. Vemos mulheres atuantes na igreja e em várias áreas da sociedade, inclusive temos uma presidente não é mesmo?

    Lembro-me de um episódio ocorrido muitos anos atrás, quando eu era adolescente, do qual nunca esqueci. Foi uma situação em que o meu irmão estava “discutindo” algumas questões doutrinárias com um senhor de uma outra denominação. Eu estava escutando a conversa deles e fui tentar colaborar com um versículo que lembrei e o senhor falou que eu não deveria dar a minha opinião. Ele disse que na igreja dele as mulheres não falavam no púlpito e muito menos tentavam ensinar numa conversa como aquela.
    Eu me surpreendi, e o meu irmão na mesma hora saiu em minha defesa e de todas as mulheres.

    Ainda bem que tem muitos homens que reconhecem o nosso valor, que são diferentes daquele senhor, pois como vimos nesse texto, a mulher é muito especial pra Deus e Ele fez questão de deixar isso registrado.

    Um abraço e tudo de bom!


  3. Ola pastor Flavio! Obrigado por nos trazer esta reflexão.
    Ser mulher é um privilégio, mas ser mulher adventista também é uma grande responsabilidade. Que Deus nos ajude a cumprirmos fielmente o nosso papel. Um forte abraço.


  4. olha gosto mt de ler as msgs que vc escreve pois mts delas as vezes serve para me conforta e outras para pensar no dia de amanha e no que pode acontecer se não tivermos deus em nossas vidas recemtemente li uma historia que vc escreveu que dizia mais ou menos assim que deus ao final de cada dia ele vem ao nosso encontro como fazia com adaõ e éva no jardin do édem gostaria mt se vc poder me envia ela novamente pois gostaria de envia la nus amigos que deus te abençoe grandemente e que vc sempre seja usada por deus para nos transmitir a sua palavra que nos enche de paz e alegria


  5. A paz de Cristo, o seu artigo e maravilhoso.A mulher é o ser mais importante dentro do nosso lar,ela é o melhor presente que Deus nos deu. Elas também são as melhores ganhadoras de almas para Jesus, estão sempre orando por nos homens.Elas servem a Jesus com toda dedicação, ao marido, aos filhos, aos netos.
    Muitas mulheres tem mais atitude que certos homens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.