“Justiça” – Lição 11

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Nós, Adventistas do Sétimo Dia, estamos acostumados a ouvir as pessoas dizendo que acreditamos que somos salvos pela lei, que acreditamos na justificação pelas obras, e por isso pregamos a guarda dos mandamentos. Bem… isso é o que as pessoas de fora dizem. Acontece que muita gente, dentro da nossa própria Igreja, está completamente perdida no que tange ao assunto Justificação pela Graça x Justificação pelas Obras, e não compreende essa mensagem tão peculiar que possuímos.

Como funciona a justiça humana? Bem… ontem estava no curso de inglês e o professor perguntou o que pensávamos sobre vingança. “Se alguém fizer mal à sua família, você se vingaria?” era a pergunta dele. Nessa pergunta se encontra boa parte do conceito humano de justiça. Para nós, pecadores, justiça é dar ao outro o que ele merece. Sendo assim, se a pessoa faz mal, merece o mal, e quem faz o bem merece o bem. Não me surpreende o fato de nosso conceito de justiça estar novamente distorcido. Vou me explicar.

Nós somos pecadores (maus), logo, merecemos a morte (consequência do pecado). Deus é justiça, Ele é a justiça em pessoa, e Ele nos oferece a salvação e entrega seu Filho para morrer em nosso lugar. Você pode dizer: “mas é porque Ele também é amor!”. Então eu te pergunto, Deus precisa deixar de ser amor para ser justiça. É claro que não. Todos os seus atos de amor são também atos de Justiça, porque Ele é Justo, Santo e Perfeito! Nada que Ele faz se desvia do que é Justo. Sendo Justo, Deus nos oferece algo que não merecemos – a salvação. Mas para os olhos humanos, justiça é dar oque se merece. Como estamos distantes dos conceitos divinos!

Também temos dificuldade de entendermos a forma como a justiça divina atua em nossa vida. Quando Deus nos justifica, Ele não apaga nossos pecados antigos e nos liberta para cometermos novos pecados. Quando Deus nos justifica, Ele perdoa nossas faltas, pelos méritos de Cristo, e nos dá poder, pelo sangue de Cristo, para vencermos as tentações! Isso significa que a Justiça de Deus é completa, ela transforma, ela dá nova vida. Nossas boas obras são consequências de termos recebido o perdão divino e o auxílio divino para nos afastar do pecado. É necessário entendermos isso, para que isso seja uma realidade em nossa vida!

“Não é bastante crermos que Jesus não é um impostor, e a religião da Bíblia não é uma fábula artificialmente composta. Podemos crer que o nome de Jesus é o único debaixo dos Céus pelo qual devemos ser salvos, e contudo podemos não torná-Lo pela fé nosso Salvador pessoal. Não é bastante crer na teoria da verdade. Não é bastante fazer profissão de fé em Cristo, e ter nosso nome registrado no rol da igreja. ‘Aquele que guarda os Seus mandamentos nEle está, e Ele nele. E nisto conhecemos que Ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado’ (1Jo 3:24). ‘E nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos’ (1Jo 2:3). Esta é a evidência genuína da conversão. Qualquer que seja nossa profissão, nada valerá se Cristo não for revelado em obras de justiça” Parábolas de Jesus, p. 312, 313.

2 Comentários


  1. precisamos entender mais o assunto de justificação pela fé
    o que Deus fez em Cristo para nos salvar!


  2. Precisamos da libertaçao divina de cristo e nos santificar cada vez mais e mais…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.