Luta Pelo Poder – Lição 7

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Imagine comigo: Dois homens lideram uma multidão composta de milhares de pessoas, num caminho pelo deserto, em condições desfavoráveis. O que faz com que esses homens tenham poder sobre tanta gente? O que, ou quem, lhes concede essa liderança? Se pensarmos friamente, baseados na simples realidade, é bastante complicado olhar para a história do povo de Israel no deserto e não acreditar que havia um Deus por trás de tudo aquilo. É muito difícil acreditar que dois simples homens dominariam milhares de pessoas durante uma jornada de 40 anos pelo deserto, sem que Deus lhes desse esse poder. Diante dos relatos de insatidfação do povo, podemos perceber que somente Deus pôde fazer com que apesar de insatisfeitos e rebelados, o povo continuasse seguindo a liderança de Moisés e Arão.

Um dos aspectos que mais me chamou a atenção na lição dessa semana, foi que Coré, o líder da rebelião, não era só um israelita. Ele era um israelita da tribo de Levi. “Corá, o espírito dirigente desse movimento, era levita, da família de Coate e primo de Moisés; era homem de habilidade e influência. Embora designado para o serviço do tabernáculo, descontentara-se com sua posição e aspirara à dignidade do sacerdócio. A concessão a Arão e sua casa do ofício sacerdotal, que anteriormente tocava ao filho primogênito de cada família, dera origem a inveja e dissabor e, por algum tempo, … estivera secretamente a se opor à autoridade de Moisés e Arão. … Finalmente, concebeu o ousado plano de subverter tanto a autoridade civil como a religiosa” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 395).

Isso deve nos alertar quanto à nossa condição diante de Deus e de Sua Igreja. Se pensarmos que somos separados por Deus para o Seu trabalho, independente de realizarmos este como pastores, professores, missionários, diretores de departamentos, ou membros da Igreja, aqui está uma lição para nós enquanto instrumentos divinos. Deus nos concede dons e funções em Sua obra, e devemos aceitar com carinho e dedicação aquilo que Deus destinou para nós, e orar para que nossos irmãos, independete de suas funções, também tenham um bom desempenho no serviço de Deus.

Coré se encheu de inveja. Com o coração tomado pelo egoísmo, se levantou em “defesa” do povo, alegando que toda a congregação era santa, quando na verdade, queria apenas afirmar sua própria santidade. Na verdade, muito semelhante a Lucifer, ele almejou um lugar que não era o dele, um poder que não era o dele. De que forma temos atuado na causa de Deus? Temos nos esforçado em fazer o melhor para Deus ou estamos mais preocupados em acusar nosso irmão e desejar seu cargo ou posição?

Outro ponto importante deste mesmo aspecto é o fato de que pessoas escolhidas por Deus não são necessariamente o que deveriam ser. Não devemos nos espelhar em pessoas, mas em Deus! Devemos ter nossa fé bem firmada em Jesus Cristo, para que não venhamos a cair, ainda que as rebeliões partam de nossos pastores e líderes. Devemos estar conscientes de qual é a vontade de Deus, e ainda que um levita moderno se levante hoje, devemos permanecer ao lado da verdade!

É importante também pensarmos aqui, um pouco, nos memoriais de Deus em nossa vida. O que há em sua vida que funciona como um memorial? De que coisas a respeito do Senhor e de Suas promessas você precisa ser constantemente lembrado? Por que é importante manter constantemente essas promessas em mente? Manter nossa mente em conexão constante com as coisas divinas, é um refrigério e força para nossa fé!

Por último, gostaria de ressaltar algo que foi trabalhado na lição de quarta-feira. Em todo o mundo, e também no povo de Deus, só existem dois grupos: os mortos e os vivos. Ainda que pensemos em um grupo em cima do muro… estar em cima do muro é optar pela morte! Só há dois caminhos – o certo e o errado –  e ao contrário do que dizem.. apenas um deles nos leva a Deus! Nossa vida é feita de nossas escolhas. Nossa história é construída a partir daquilo que escolhemos. “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência.” Deuteronômio 30:19

1 comentário


  1. muito vcs estão de parabens irmãos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.