Maquiando a Vida

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

maquiagem1O mundo parece viver da maquiagem. Não somente essa do pó, da base, do batom, das sombras… mas a maquiagem do ser.

Já parou para pensar como é complicado sermos nós mesmos? O tempo todo temos que nos policiar para falarmos as palavras certas com as pessoas certas, no momento certo. Vestir a roupa adequada ao corpo, lugar, ocasião e companhia. Expressar apenas o aceitável. Sentir apenas o inevitável.

Talvez eu esteja exagerando ao usar o termo “o tempo todo”, mas… com que frequência nos submetemos a esse tipo de vigilância?

Assistindo a um programa de TV, parei para pensar sobre isso. Na ocasião, os apresentadores davam dicas de que roupa, calçado, maquiagem e corte de cabelo usar para acentuar alguns traços físicos e disfarças outros. O vestir deixa de ser simplesmente o vestir e passa a ser uma forma de esconder os “defeitos” e ressaltar as “qualidades” definidos pela sociedade do momento. É… porque daqui a alguns anos, traços hoje detestados poderão se tornar desejados, como tem sido a séculos no universo do culto ao corpo.

Se usar uma simples roupa e um corte de cabelo reflete tanta exigência do como se apresentar, o que valorizar e o que esconder de si mesmo… podemos acreditar que viver em grupo tem se tornado cada vez mais complicado. Complicado no sentido de que não há limites permitidos entre o real e o ideal… o real precisa atender a todo tempo às demandas do ideal.

“Tudo é vaidade”, já dizia o sábio Salomão.

A vida simplesmente acontece. O tempo passa independente de quem eu seja ou do que eu faça. As pessoas entram e saem de nossas vidas. Mas de que vida? Se estamos, muitas vezes, vivendo uma vida de ser algo que não se é de fato.

As pessoas sofrem com isso, e o sofrimento é legítimo, é real. Sofrem porque, diferentemente de escolher o sapato ideal para o corpo, o tom ideal do pó e o corte ideal do cabelo, escolher viver o tempo inteiro o que os outros (incluindo nós mesmos) esperam de nós, maquiando nosso ser e nossa vida, é um fardo. Acontece que a cultura do maquiar-se (esteticamente) está presente de tal forma em nosso dia a dia, que o maquiar do ser parece ser um dever, quando não, algo natural.

O que temos feito de nosso ser e nossa vida? Que maquiagem temos usado para nos apresentar ao mundo? Como as coisas seriam se tão somente encararássemos o mundo de frente, com a “cara limpa” e o caráter cristão que Deus deseja de nós?

1 comentário


  1. Gostei muito desta matéria, ela reflete inteiramente o pensamento que tenho com relação a viver em função da vontade e do querer dos outros, pois as pessoas deixam de ver o que há de mais precioso si próprias, ja não se valorizam pelo que são mas sim pelo que aparentam ser. As pessoas que se vestem simplesmente ja não fazem parte das relações de alguns, pois a aparência tem que estar sempre em evidência.
    Ainda que eu goste de vestidos bonitos, calçados de qualidade, não posso ser hipócrita e dizer o contrário, mas isto pra mim não é o mais importante, eu vivo bem sem eles, só não sei mais viver sem Jesus!!!
    Eu porém, quero ter aparência da mensageira do Senhor Jesus.
    Um grande abraço à todos vocês amados!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.